Os Sete Reinos

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os Sete Reinos

Mensagem por O Corvo em Qua 8 Mar 2017 - 22:31

Relembrando a primeira mensagem :


Ficha de inscrição

Regras Gerais

Buscando simplificar o acesso aos grupos de cada região e até mesmo ao tão sonhado título da nobreza, o JDT desenvolveu uma ficha de inscrição para apresentar os aspectos essenciais da personalidade e da trama de seu personagem. Queremos conhecer sua história, mas queremos lhe dar espaço para desenvolvê-la com o decorrer do tempo, alterando o necessário, acrescentando o que entender melhor e enriquecendo sua experiência aqui. Assim,quando da construção da sua ficha, basta observas as regras a seguir:

01. Para que sua ficha seja aceita, será necessário Nome e Sobrenome. Ex: Richard Collins. Logo, todas as informações devem ser preenchidas de forma correta, não aceitaremos nome de personagens que fujam do padrão. Ex: Cold_Miller ou Broon.Carter. Caso seu personagem seja UM BASTARDO RECONHECIDO pelo genitor nobre, poderá usar os nomes dados aos mesmos em cada região, quais sejam:

Norte = Snow
Vale de Arryn = Stone
Terras Ocidentais = Hill
Terras da Coroa = Waters
Terras da Tempestade = Storm
Terras Fluviais = Rivers
Campina = Flowers
Ilhas de Ferro = Pyke


02. O personagem que morrer, entrará para o grupo dos Mortos, não podendo postar fora de Para-lá-da-Muralha.

03. Não se esqueça de determinar a região de Westeros a qual seu personagem pertence. Norte – Vale de Arryn – Terras Ocidentais – Dorne – Terras da Coroa – Terras da Tempestade – Terras Fluviais – Campina – Ilhas de Ferro.

04. Não se esqueça de dar um cargo ao seu personagem. Você pode encontrar nossa lista de cargos clicando aqui.

05. Cada cargo receberá um salário pré-determinado. Você pode encontrar os salários de cada cargo clicando aqui.

06. Apenas os cargos que detêm mais poder terão suas vagas reguladas. Em virtude disso:
a) Cada player PODERÁ POSSUIR ATÉ TRÊS CONTAS LORDS/LADY ou SENESCAL (YI-TI).
b) Cada player SÓ PODERÁ POSSUIR UMA CONTA NO PEQUENO CONSELHO, e está conta NÃO ENTRARÁ na contagem do item anterior.
c) Caso seja seu desejo ADOTAR UMA CONTA JÁ CRIADA, deve-se sempre observar a regra do primeiro item.


07. Cada player poderá escolher até três habilidades inciais. Isso significa dizer que nas três habilidades escolhidas, os players receberão de imediato o nível 03, seguindo o aprimoramento a partir dai. Dentre essas habilidades, deve-se obrigatoriamente escolher UMA HABILIDADE CRIATIVA, UMA HABILIDADE FÍSICA E UMA HABILIDADE DE CONHECIMENTO. A lista de habilidades você pode encontrar clicando aqui.

08. É proibido que um mesmo OFF tenha mais que 2 (duas) contas Lorde/Lady numa mesma região (reino), a menos que os seus personagens se tornem por progresso na trama dos mesmos.

09. A história de seu personagem teve possuir no mínimo 250 palavras. Textos menores que isso não serão lidos/avaliados.

10. Você deverá distribuir 16 pontos entre os atributos pré-estabelecidos. Fichas cuja distribuição ultrapassar 16 não serão lidas.

11. Fica proibida a criação de fichas para casas nobres (grandes ou menores), magistrais, cavaleirescas ou clãs com menos de três membros vivos e ativos.



Lannister, Targaryen, Baratheon, Stark, Tyrell... são apenas raios de uma roda.

Sete Reinos

Aqui se reúnem as fichas das pobres almas que povoam os Sete Reinos.

[MODELO DE FICHA]

Nome On: (Nome do Personagem)
Nome Off: (Seu Nome e Sobrenome)
E-Mail/Skype/Instagram: (Para contato)
Sangue: (Pode escolher entre Legítimo ou Bastardo).
Cargo: (Ocupação do seu personagem)
Habilidades Iniciais Escolhidas:(1 física + 1 de conhecimento + 1 astuciosa)
Região Pertencente: (Região de origem do seu personagem).
Características do Personagem: (Descrições físicas, psicológicas, atributos, entre outros que possam caracterizar seu personagem).
História do Personagem: (Breve resumo da trama que deseja criar para seu personagem)
Árvore Genealógica:(Opcional)


Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:

Criatividade: -
Força: -
Inteligência: -
Agilidade: -
Coordenação Motora: -
Vigor: -
Oratória: -
Fé: -


Última edição por O Corvo em Qui 1 Jun 2017 - 18:43, editado 2 vez(es)

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Mithras em Qua 6 Set 2017 - 16:45

Nome On: Mithras
Nome Off: Matheus Henrique
E-Mail: mhpo11@hotmail.com
Sangue: Legítimo
Região Pertencente: Terras da Coroa

Características do Personagem:
Moreno, com olhos escuros, pele clara e estatura média. Apesar de não ser completamente musculoso, seu corpo é atlético. É leal e procura sempre agir com honra, mas a impossibilidade disso faz com que ele constantemente se encontre em penitência. Sua maior fraqueza e preocupação é Amara, sua filha, que possui apenas sete dias de seu nome. Para conseguir cuidar de sua filha, acaba aceitando quase qualquer tipo de proposta, mas sempre tem em mente o quanto vale a pena se arriscar, uma vez que sem ele Amara não teria mais ninguém. Tirando isso, é uma pessoa agradável que prefere resolver as coisas na conversa ao invés de com os punhos, mas não tem medo de sujá-los quando é preciso.

História do Personagem:
Mithras se apaixonou por uma camponesa e seus pais eram contra o relacionamento. Quando a notícia da gravidez dela e a ideia de um casamento chegaram aos ouvidos de seus pais, não havia mais como resistir. Pegando parte de sua herança e a moça, Mithras fugiu deixando sua família para trás e vindo para as Terras da Coroa. Acabou trabalhando muito tempo para um fazendeiro apenas para ganhar um lugar quente na palha do celeiro para sua esposa e sua recém nascida filha, no começo foi bem difícil, mas com o passar do tempo acabaram ganhando um quarto na fazenda. A esposa de Mithras morreu três anos depois, dando luz à uma criança natimorta. A angústia de Mithras foi tão grande que ele partiu logo após ter enterrado sua esposa e seu filho natimorto. Foi ainda mais difícil para Mithras e principalmente para sua filha, Amara, que mal entendia o que acontecia. Mithras vagava de fazendas à tabernas, de pousadas à comitivas, sempre conseguindo algum tipo de emprego temporário para comprar o que quer que Amara precisasse. Às vezes tinha que ralar duro, às vezes tinha que sofrer, às vezes ele tinha que lutar, mas evitava roubar das pessoas injustamente... Por mais que não gostasse, quando as coisas apertavam, Mithras não tinha medo algum de manchar sua honra… Os empregos que melhor pagavam exigiam isso e por Amara, ele os completava. Com o passar do tempo, Mithras acabou se fixando próximo a um bordel. Conseguia emprego facilmente com os frequentadores de lá e as garotas adoravam Amara e não se importavam em tomar conta dela quando ele precisava. Só duas coisas realmente preocupavam-no, o futuro de Amara e qual seria o seu próximo serviço.

Criatividade: 1
Força: 3
Inteligência: 3
Agilidade: 3
Coordenação Motora: 2
Vigor: 2
Oratória: 2
Fé: 0
Ficha aprovada
Azor Ahai

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Rhaenyra Blackfyre em Sex 8 Set 2017 - 14:45

[size=13][size=13]i never watch the stars, there’s so much down here




[/size]
[/size]
i dream all year, but they're not the sweet kinds and the shivers move down my shoulder blades in double time











Nome On: Rhaenyra Blackfyre
Nome Off: Carolina Azevedo
E-Mail:  its-pure-sweet-girl@hotmail.com
Sangue: Legítimo.
Região Pertencente: Terras da Coroa




Características do Personagem: Alguns podem dizer que possui uma beleza sedutora e agressiva, mas outros dizem que possui uma beleza angelical e serena. Sem dúvidas é uma princesa bonita e elegante. Possui a pele pálida que combina perfeitamente com os longos cabelos prateados, herdados dos pais de descendência valiriana. Possui olhos de aparência inocente e desiguais, sendo um deles em um azul cristalino profundo e o outro em um castanho cor de noz. Seu nariz é reto, os lábios são rosados e fartos, os dentes são alinhados. Possui um metro e setenta e oito centímetros, sendo consideravelmente alta para uma garota da sua idade.


Rhaenyra possui uma presença extremamente agradável, é encalistrada e dócil, procura ser graciosa em seu comportamento e sempre tratar todos com simpatia. Geralmente não possui muita confiança e costuma possuir pouca autoestima, mas tende a disfarçar tais traços sendo amigável, com o seu carisma encantador e o bom-humor divertido. Apesar de exibir indícios de inocência e fragilidade, a jovem Blackfyre é bastante sagaz, determinada, astuta e possui o seu lado calculista.  


Odeia admitir, nunca o mostra na frente da mãe e procura não exibi-lo muito para o irmão, mas a princesa possui um lado manipulador, impaciente, vingativo, ambicioso e cínico. Quando provocada tende a demonstrar comportamento instável, ora discutindo pacificamente e calmamente com a pessoa, ora se mostrando incrivelmente ameaçadora e intimidante. Sempre procura se mostrar uma pessoa justa, pacífica e quando necessário não dispensa usar a piedade com quem julga ser necessário. Ao mesmo tempo, é impiedosa e fria com quem julga ser seu inimigo.


Acredita que deve ser sempre justa, pois só assim pode contribuir para a melhora do mundo. Ser capaz de proporcionar uma vida melhor para as pessoas ao seu redor, com mais harmonia e com mais justiça é uma das grandes metas de Rhaenyra, não importando o caminho que terá de fazer para chegar a isso.





História do Personagem: O casamento de Visenya Blackfyre e de Aeron Celtigar não havia sido o mais feliz dos casamentos, assim como milhares de mulheres espalhadas pelo mundo a princesa westerosi não se casou por amor, ou admiração, ou respeito, assim como tais mulheres casou através de uma união planejada pelos pais. Daeron e Rhaenyra foram os frutos de um casamento não muito feliz, mas mesmo assim, quando nasceram, imediatamente foram amados. A jovem princesa não se lembra muito do casamento dos pais, e nem se lembra muito bem de seu progenitor, tudo o que sabe são histórias nas quais ela procura não pensar muito.


Em noites escuras quando o vento é forte, a princesa ao deitar em sua cama e repousar a cabeça em seu travesseiro costuma ter pesadelos com a sua infância. Era muito pequena para entender o que estava acontecendo, tudo acontecia rápido, mas quando fechava os olhos o tormento se passava lentamente. Em suas piores noites conseguia ver o corpo da imagem que havia criado de seu pai, frio e fedendo, dormia, quando acordava se encontrava dentro de um navio, quando olhava para trás via o lugar onde vivia se tornando cada vez mais pequeno, quando olhava para a água em volta do navio via fogo, tentáculos e cadáveres que vestiam armadura com o símbolo dos Celtigar. Logo avistava o que se lembrava de ser Pedra do Dragão, mas cada vez que ia se aproximando do castelo seu corpo diminuía, ela estava aos pés de todos aqueles que vieram receber ela e o irmão, as gárgulas tinham vida própria e implicavam com ela. Mas, de acordo com que foi crescendo, esse mesmo pesadelo foi se tornando cada vez mais raro.  


Suas lembranças certeiras mais antigas trazem apenas memórias após a morte do pai, quando já era somente ela, o irmão mais velho e a mãe. Lembra sempre de a mãe na infância sendo afetuosa, influenciando e motivando os filhos a se orgulharem de carregarem o sobrenome Blackfyre. Não foi muito difícil para Rhaenyra já que era o seu tio quem sentava no trono, e ela quando pequena adorava fantasiar que era uma rainha. Uma rainha sem súditos, as histórias de desilusão se transformavam em motivo de risadas para a jovem princesa que adorava dar ordens ao vento, dançar com cavaleiros invisíveis, passear por jardins que fantasiava em sua cabeça e quando se sentava em um banco grande, sozinha, se imaginava montando um dragão. Pertencer a casa Blackfyre era a armadura que vestia quando a falta de confiança lhe convocava para uma justa.  


Durante a sua infância e o inicio de sua adolescência, Rhaenyra enxergava Visenya e Daeron Blackfyre como pessoas que mereciam ser idolatradas. Adorava a personalidade forte da mãe, a maneira como impunha sua opinião e como manejava uma espada quando treinava, ela era incrível, o irmão mais velho também, lutava bem quando tinha uma espada em suas mãos, a jovem princesa sempre o via como alguém extremamente inteligente e magnífico. Os dois sempre eram mencionados em conversas e sussurros na Ilha da Garra, eram extraordinários e admiráveis, e mesmo quando a mãe não estava em seus melhores dias, ou quando o irmão não estava de bom humor, Rhaenyra continuava enxergando-os assim.


Então mesmo pequena, Rhaenyra desejou mostrar o seu valor, aprendendo sobre a ação e a arte de governar, como utilizar a economia e como planejar boas estratégias, claro, preferia mil vezes cantar canções para que todos pudessem ouvir sua voz melancólica e doce, dançar enquanto apreciava a música de cantores que passavam pela ilha, costurar ou brincar de "Entre no meu castelo". A jovem Blackfyre sentia a necessidade de fazer algo que pudesse lhe dar vantagem de mostrar o seu valor, mesmo que ela considerasse quase tudo entediante, sabia que se quisesse algum dia ser como a mãe ou como o irmão deveria começar cedo como eles, estava cansada de olhar para eles e sentir pena de si mesma.


Quando sangrou pela primeira vez dias depois do décimo segundo dia de seu nome começou a se sentir diferente, como se aquele evento tivesse evoluído ela. Seus seios começavam a aumentar, assim como o seu corpo, observava que o seu corpo adquiria mais curvas, e que os seus antigos vestidos de criança agora faziam com que se parecesse com uma meretriz. Sentia-se um pouco mal, quando olhava para a mãe e enxergava uma beleza que nunca chegaria a ter, na verdade, de repente parecia que todas as mulheres eram mais belas do que Rhaenyra, mesmo que a grande maioria enxergasse o contrário.


Era grande mentiroso quem dissesse que o tempo não valorizava a jovem princesa westerosi, com seus quinze anos já possuía uma beleza celestial, até mesmo os seus olhos de cores diferentes que outrora haviam sido considerados defeitos em sua aparência, hoje todos reconheciam que avultava sua beleza. Por muito tempo havia se sentido diminuída, e às vezes ainda se sentia de tal maneira, por isso investia em sua graça e em seu comportamento, e desta forma conseguia se destacar entre as outras garotas. Persuadir usando a sua aparência se mostrou útil desde que mudara tanto, quando fazia isso conseguia sentir um bem estar inexplicável. Aprendeu com o tempo a usar o bom humor e o seu bom gosto para roupas para influenciar as pessoas ao seu redor. Quando insultada uma vez por manipuladora, Rhaenyra temeu que a mãe também chegasse a essa conclusão e desaprovasse o comportamento da filha, então se acalmou, porém, dias depois já estava se comportando como de costume. Havia se viciado na nova versão de si mesma, mesmo que em segredo possuísse uma pequena falta de confiança.


Os anos iam se passando e a filha de Visenya Blackfyre se preocupava em qual momento a mãe lhe iria empurrar para algum homem de maneira forçada. Apesar de ser fascinada por histórias de amor, por casamentos e pela formação de casais, Rhaenyra nunca se apaixonara, ou sentira atração por algum homem. Quando percebera a frequência que algumas mulheres visitavam o quarto da mãe, começou a se perguntar se ela não se interessava por mulheres, já havia ouvido falar nisso, apesar de que não dispensava uma companhia feminina na cama, sabia que só estava interessada em uma companhia para dormir e que aquilo não passava de sua mente confusa se embaralhando. Claro, havia homens e mulheres que a princesa admirava a aparência, mas ninguém nunca lhe despertara tal interesse. Por outro lado, adora usar a facilidade com a sedução ao seu favor.


Não se lembra quando exatamente, mas começou a possuir o desejo de ser rainha algum dia. Talvez fosse uma maldição que acompanhasse a garota com o seu nome, afinal, a primeira Rhaenyra também possuía esse desejo por ser rainha, tanto é que sua persistência para estar no trono de ferro fora tão grande que acabou resultando em sua morte. Sabia dentro de si que não acabaria sendo devorada por um dragão, como Rhaenyra Targaryen fora, em qualquer caso, sabia dentro de si que não devia persistir muito nisso, e caso esses pensamentos não lhe abandonassem, sabia que era muito mais esperta.



Árvore genealógica
+ Sua mãe, Princesa Visenya Blackfyre, 37 anos, Princesa de Ilha da Garra e Senhora da Baía dos Caranguejos.
- Seu pai, Lorde Aeron Celtigar, 26 anos, morto por envenenamento. †
- Seu irmão, Príncipe Daeron Blackfyre , 18 anos.
- Ela, Princesa Rhaenyra Blackfyre, 17 anos.




Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:
Criatividade: -
Força: 1
Inteligência: 3
Agilidade: 2
Coordenação Motora: 2
Vigor: 4
Oratória: 4
Fé: -

it keeps my veins hot, the fire's found a home in me
mingi


Ficha aprovada
Azor Ahai

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Aesildur Dondarrion em Ter 31 Out 2017 - 18:06


Nome On: Aesildur Dondarrion / Aesildur de Myr (Anteriormente)
Nome Off: Leonardo Aguiar
E-Mail/Skype/Instagram: leozinho.22_sas@hotmail.com
Sangue: Legítimo
Cargo: Castelão (Conselheiro e Sacerdote Vermelho)
Habilidades Iniciais Escolhidas: Espada Bastarda(Física), Religião(Conhecimento), Argumentação(Astuciosa)
Região Pertencente: Porto Negro - Terras da Tempestade / Templo de Myr - Essos(Anteriormente)
Características do Personagem:  Como irmão do meio de Aesir Dondarrion, o lorde anterior de Porto Negro e pai de Alayna sua atual regente, é Bastante centrado, um homem inteligente e sensato acima de tudo. Possuidor de uma estatura mediana, tendo 1,80m de altura apesar de um corpo bastante forte e viril, com braços e peito forte, sempre ocultos debaixo de sua cota de malha que recobre o corpo de cima abaixo sob sua capa em tonalidade vermelha. Tem cabelos loiros e olhos num tom de azul-celeste bastante nebulosos e enigmáticos, alguns dizem que seu olhar é tão sombrio como a noite, outros alegam que a intensidade de tais se assemelha à um céu tempestuoso, o que faz alusão ao brasão de sua casa como um verdadeiro Dondarrion. Possui uma expressão serena e imponente ao mesmo tempo, como o céu das Terras da Tempestade que podem variar do calmo ao tempestuoso em frações de segundo, mas apesar de tudo é um homem bastante espirituoso. Possui uma grande determinação e um senso de honra elevado, que junto de sua personalidade serena e paciente fazem dele mais do que um bom conselheiro, um bom diplomata e regente também. Acima de tudo isso é deveras descontraído e tranquilo, mas não é por isso que deva ser subestimado, visto que faz o que for necessário para cumprir os seus objetivos. Apesar de guardar a Fé Vermelha, como um Sacerdote da mesma, nunca foi muito devoto visto que apesar de todas as suas qualidades tinha seus pontos fracos como todos os homens, no seu caso a bebida, as lutas e acima de tudo as mulheres, sendo que destes três os dois últimos eram seu maior ponto fraco. É bastante inteligente e cauteloso, mas isso não faz dele uma pessoa metódica, já que apesar de sua falha devoção ao Senhor da Luz, ele ainda crê e possui fé o bastante para confiar no que as visões nas chamas dizem, assim como nos sinais que ele lhe da. Retornou à Westeros devido a morte de seu irmão, para então cuidar da sobrinha e levar a Fé Vermelha adiante pelo continente, alegando acreditar que havia grandioso propósito em alcançar Porto Negro primeiramente com a Luz de R’hllor.

História do Personagem: Nascido em Porto Negro como o segundo Filho de Lisbeth Dondarrion, Aesildur foi criado em Porto Negro até os cinco anos de idade quando foi vendido como escravo aos Sacerdotes Vermelhos em troca de dinheiro e suprimentos num momento de crise em Porto Negro. Sua mãe acreditava que o costume machista Westerosi de que uma Casa deveria ser regida apenas pelo descendente homem mais próximo na linha de sucessão era ultrapassada e opressora, então o viu como empecilho para comprovação de sua teoria. Talvez tenha sido influência de Dorne, por estarem tão perto do lugar onde as mulheres possuíam uma autonomia maior, talvez por ela própria ter assumido o Castelo na morte de seu sobrinho Beric e o regido de modo a mantê-lo e preservar o nome da família vivo.

Em Essos, foi criado para servir no templo de Myr, primeiramente tendo o intuito de fazer da criança um Mão Ardente, entretanto por alguma razão pouco conhecida e jamais revelada a ele, Aesildur foi instruído como sacerdote, vivendo junto aos demais sacerdotes Vermelhos de Myr, onde todas as noites acendiam fogueiras e entoavam orações a clamando que R’hllor trouxesse o amanhecer de volta.

Apesar de ter passado anos e anos de sua vida naquele lugar, Aesildur nunca fora muito devoto, por esse motivo passou toda a adolescência sem nunca ter tido uma visão nas chamas ou qualquer outra coisa, mas maravilhava-se com aqueles que obtinham e parte dele sentia uma ponta de inveja, contudo não apartava de si a bebida ou as inúmeras confusões em que se metia. O ambiente em Essos nunca fora um lugar tão seguro para se viver, diferente de Westeros onde tudo parecia mais civilizado e tranquilo, mas isso fez com que ele amadurecesse e se tornasse uma pessoa mais tolerante e calma, visto que nada lhe impressionaria mais do que o que presenciara em Essos.

Aos 12 anos, ele já bebia, se tornando um aficionado em néctar verde e vinho de fogo. Seu interesse em batalhas também, o fazia muitas vezes se meter em tavernas e bordéis, apenas para observar as inúmeras confusões que se davam por ali, ou apenas para ver os corpos nus das mulheres e ouvir seus gemidos durante o trabalho. Sua curiosidade naquela época era grande o bastante para que ele desafiasse a sensatez e frequentasse lugares impróprios para uma criança de sua idade, como já mencionado. Seu desejo pelas mulheres deu-se nessa idade também, visto seu costume de espionar o banho de toda e qualquer moça que ele tivesse a chance, fosse dentro dos templos ou nas áreas mais afastadas perto das praias.
Aprendeu muito com sua estadia em Myr, inclusive a língua local e como persuadir pessoas em relação à Fé Vermelha que ainda era seu eterno conflito. Aos 15 fugia sempre que era notificado que algum Khal passaria pelos arredores, apenas para ver os Dothraki em travessia enquanto recebiam seus tributos da cidade o que evitava que Myr fosse destruída assim como Pentos e Norvos. Havia vezes em que sonhava em ter nascido como um deles, sem responsabilidades com o Templo ou sem se importar com o fato de ter sido vendido como escravo pela própria mãe. Aprendeu a lutar com escravos trazidos de outras partes do mundo, mas em segredo, dominando a arte da espada que sempre fora algo que lhe chamava a atenção.
Aos 20 superou enfim seus traumas, tornou-se mais adulto, mais maduro. Deixou de fugir tanto de suas responsabilidades, ainda que não fosse ainda o melhor servo de seu deus. Todos os seus amigos e companheiros que foram criados juntos de si começaram a partir em viagem para outros Templos e outros cantos de Essos, alguns iam para Westeros, mas ele ainda parecia estacionado no tempo antes que tivesse sua primeira visão nas Chamas.

Naquela noite seus olhos azuis tornaram-se vermelhos com o reluzir do que viu nas chamas. Em sua visão, Aesildur enxergava o que parecia ser um lobo caminhando na Neve durante uma tempestade realmente forte, tão forte que era difícil de distinguir o significado daquela visão deslumbrante que enchiam seus olhos. Conforme caminhava o animal quadrupede parecia perto da morte, como se rastejasse e não corresse como antes e a neve o cobria violentamente como que ocultasse algo sob seu pelo. A visão prosseguia uma incógnita antes que as patas do lobo tivessem nitidamente cinco dedos ao invés de quatro como era habitual, mas não eram dedos comuns, se assemelhavam à garras, longas e afiadas, assim como as patas de trás ocorria o mesmo e o animal movia as omoplatas de uma maneira estranha antes que seus olhos fossem visíveis e ao piscar suas pálpebras dividiam-se em vestical e não na horizontal. Ao chacoalhar o pelo notava-se que a pelagem cinzenta do lobo na verdade eram cinzas e neve, antes que ele mostrasse a coloração avermelhada que lhe havia por debaixo daquela capa. Um dragão vestido de lobo, no gelo era o que ele avistava e em seguida o céu tornava-se escuro como se uma tempestade estivesse vindo. Seria este um presságio para o repetir da longa noite? Não, talvez fosse além disso, a visão não era clara, mas tremeluziam imagens nas nuvens que ele próprio não conseguia distinguir, mas uma delas parecia ser um relâmpago roxo caindo sobre um campo repleto de gente morta onde uma criança caminhava, além dessa ainda haviam mais cinco imagens que ele próprio não conseguia dicernir. De imediato Aesildur entendeu o significado final de parte de sua visão, era hora de voltar à Porto Negro.

Quando retornou à sua Casa, não foi exatamente bem recebido, mas não demorou a ganhar confiança do lugar sendo sagrado um cavaleiro, o que era estranho para um sacerdote vermelho mas era plausível, afinal se não fosse ter sido vendido por sua mãe, ele seria o governante da fortaleza. Não que isso importasse tanto para si agora, ele tinha uma sobrinha, tinha família, possuía uma missão dada pelo templo de Myr e enfim sua Fé no deus vermelho estava começando a fazer sentido. Seu ceticismo saiu de cena abrindo caminho para uma visão ampla entre as nuvens Nebulosas das Terras da Tempestade.

Árvore Genealógica:
Já criaram uma anteriormente apesar da Player antiga ter saído, eu gostaria de complementar mais tarde caso me seja permitido.
Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:

Criatividade: - 0
Força: - 3
Inteligência: - 3
Agilidade: - 1
Coordenação Motora: - 2
Vigor: - 1
Oratória: - 3
Fé: - 3


Ficha Aprovada. Você pode complementar a árvore genealógica, sim. Acrescentaremos seu personagem à lista.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Orkmat Jäger em Qua 1 Nov 2017 - 2:53

Nome On: Orkmat Jäger
Nome Off: Enzo Matheus
E-Mail/Skype/Instagram: nz.matheus@gmail.com
Sangue: Bastardo
Cargo: Fora-da-lei
Habilidades Iniciais Escolhidas: Tortura, Rastreio/Caçada e Furtividade
Região Pertencente: Terras da Tempestade
Características do Personagem: Orkmat tem um cabelo relativamente curto, aparado à faca, costuma usar roupas longas que cubram-o do queixo aos joelhos. Não costuma se intrometer em assuntos alheios e é apático em demasia, costuma não se importar com o que fala, apesar de ponderar bem sobre o que vai dizer. Apesar de ser introvertido, é agressivo quando algo está no caminho de seu objetivo. Ele constrói sua própria moral e é regido por um forte senso de dever e justiça.
História do Personagem: Filho de uma prostituta, Orkmat nunca conheceu seu pai, provavelmente é filho de algum cliente de sua mãe. Por causa da fama de sua mãe, Orkmat era ostracizado pelos outros onde vivia até que, com 10 anos, se envolveu numa briga absurdamente violenta, onde acabou cegando um menino e arrancou fora sua orelha usando os dentes. Foi mandado para o campo por sua mãe para viver com um tio erudito, onde focou nos estudos e aprendeu a combater usando mãos limpas, objetos de pronto uso e também as ser versátil na ginástica.
Aos 18 anos, quando voltava para a casa de seu tio, encontrou-o morto, com um grande corte que ia do seu fígado até o peito. Orkmat por conta própria foi atrás do assassino de seu tio, foram 2 anos de caça, até que uma pista o levou a um agiota. Naquela noite, Orkmat encontrou o agiota em um bar, esperou até que ele fosse embora e seguiu-o até sua casa, assim que ele abriu a porta de casa, Orkmat correu e chutou suas costas, fazendo com que ele caísse no chão, em desespero. Orkmat alcançou o primeiro objeto que estava perto de sua mão - um mexedor de brasa - e desferiu um golpe na cabeça do agiota, houve tempo apenas para que o agiota gritasse e desmaiasse no chão. Não satisfeito, consumido ela raiva que remetia ao assassinato de seu tio, ele desferiu mais e mais golpes na cabeça do agiota até que sentisse os jatos de sangue morno em seu rosto e em suas mãos. Orkmat se retirou daquele lugar antes que as pessoas que ouviram os gritos chegassem para saber o que aconteceu e, naquele lugar, deixou apenas a sua humanidade e, desde então, compreendeu que ele estava acima da justiça, vivendo como um mercenário silencioso.


Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:
Criatividade: 1
Força: 2
Inteligência: 3
Agilidade: 4
Coordenação Motora: 2
Vigor: 2
Oratória: 1
Fé: 1


Ficha aprovada. Por favor, adicione um avatar válido e o registre, para que possa postar com sua conta.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Ethan Stark em Qua 1 Nov 2017 - 17:23

Ethan
Stark


Nome On: Ethan Stark
Nome Off: Kaique
Skype: kick1515
Sangue: Legitimo
Região Pertencente: Norte
Habilidades Iniciais Escolhidas: Persuasão, Arco e Flecha e Rastreio/Caçada


Características do Personagem:

Ethan possui um metro e setenta e cinco centímetros de altura, pesados em setenta e nove quilos. Seu corpo é atlético, apesar de não ser extremamente volumoso, o que contrasta ainda mais suas definições musculares. Sua pele tem o tom normal dos Stark. Em característica comum de sua ascendência, seus cabelos são negros e seus olhos azul. Irreverente, extrovertido e quase sempre de bom humor, é assim que Ethan é visto na maioria das vezes. O Stark quase nunca perde a chance de soltar um comentário irônico ou sarcástico, independente da situação em que se encontra. Ainda assim, tende a ser irresponsável e um grande amante da aventura e perigo, sempre em busca de desafios que o coloquem sobre o limite de suas capacidades. É corajoso e tem um senso de ética que variam conforme a situação, embora quase sempre siga a ordem natural das coisas. A caçada e o arco e flecha também é uma parte fundamental de sua personalidade, sempre estando presente em seu dia-a-dia e o ajudando a relaxar.

História do Personagem:

Ethan foi o segundo filho de Torrhenn Stark e Valerian Mormont, nasceu numa noite onde uma tremenda chuva caia sobre o Norte e seus pais ficaram absolutamente felizes. Principalmente seu pai que sempre dizia que queria ter mais filhos homens, embora no futuro mal ele sabia que também seria pai de uma garotinha.

Desde de pequeno Ethan sempre foi bagunceiro, sempre arrumava confusão com as servas na cozinha, atrapalhava os homens cuidarem dos cavalos, jogava neve nos visitantes que vinham no castelo, quase sempre fugia do castelo para acompanhar os cavaleiros treinarem arco e flecha, instrumento que ele iria dominar e se tornar tão habilidoso no futuro. E essa “ qualidade “ iria acompanha-lo até sua morte, dizia sua mãe.

Na sua adolescência decidiu dedicar mais seu tempo com coisas mais importantes, conversava bastante com seu pai sobre aquele Forte, que no passado tinha pertencido aos Bolton. Uma casa que mesmo sem ter conhecido Ethan odiava com todas suas forças. Já que o falecido Roose Bolton havia traído seus antepassados Stark’s no conhecido casamento vermelho, e quase pondo fim de uma vez a casa Stark.

Agora já adulto o mesmo sempre ajuda e aconselha seu irmão mais velho, que agora havia se tornado Lorde Stark de Forte do Inverno. Embora o temperamento de infância ainda perturbasse muitos daquele castelo, Ethan era um bom homem, amava sua família principalmente seus irmãos e seu sobrinho e sempre está disposta a fazer de tudo para protege-los, mesmo que tenha que parar suas aventuras rotinas para isso.



--------------------------------------------------------------------------

Atributos:

Criatividade - 3
Força - 2
Inteligência  - 3
Agilidade - 2
Coordenação Motora - 2
Vigor - 2
Oratória - 1
Fé - 1

Ramo Principal

+ Lorde Siegfried Stark, 36 anos, senhor e protetor de Forte do Inverno.
+ Sua esposa, falecida no parto.
+ Seu filho _____ Stark de 10 anos.
+ Seu irmão, Ethan Stark 29 anos.
+ Seu irmão, _____ Stark 26 anos.
+ Sua irmã, ______ Stark 24 anos.

Stark Forte do Inverno©️


Ficha Aprovada
Azor Ahai

_________________
Grinding and Ready
(C) Ross

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Brandon Stark em Qui 2 Nov 2017 - 19:32

Ficha em Construção


Nome On: Brandon Stark

Nome Off: Yan Gabriel

E-Mail/Skype/Instagram: yan.gab@hotmail.com

Sangue: Legítimo

Habilidades Iniciais Escolhidas:(1 física + 1 de conhecimento + 1 astuciosa)

Região Pertencente: Norte
Características do Personagem: O rapaz mais novo dos Stark de Forte do Inverno nasceu como se fosse uma mistura de seus dois irmãos mais velhos. Quase tão alto quanto o mais velho, Bran possui um metro e setenta e nove de altura, pesando oitenta e cinco quilos. Seu corpo é atlético, apesar de não ser tão corpulento é possível ver o quão musculoso ele é de longe. Sua pele lembra a de todos os Starks, uma vez que não tinha muita oportunidade de pegar sol, seus olhos são de um azul gelado, que lembra muito o clima predominante do norte. Seus cabelos são negros, mas sua barba, estranhamente, nasceu com uma pigmentação mais clara, quase loira, provavelmente fruto de um antigo casamento em sua linhagem. Apesar de ser extremamente centrado e observador, o rapaz não perde a chance de contar uma piada ou de usar sua ironia ao falar com os demais. Conhecido entre sua família como a Raposa da Neve, devido a sua alta inteligência, Brandon cresceu sendo um garoto curioso que sempre quis saber de tudo. Aventureiro nato é raro ver alguma atitude irresponsável vindo dele. Extremamente leal a sua família, tanto aos Starks de Winterfell quanto aos de Forte do Inverno, ele é um típico homem do norte.
História do Personagem: (Breve resumo da trama que deseja criar para seu personagem)
Árvore Genealógica:

Ramo Principal

+ Lorde Siegfried Stark, 36 anos, senhor e protetor de Forte do Inverno.
+ Sua esposa, falecida no parto.
+ Seu filho _____ Stark de 10 anos.
+ Seu irmão, Ethan Stark 29 anos.
+ Seu irmão, Brandon Stark 26 anos.
+ Sua irmã, ______ Stark 24 anos.

Ficha Reprovada
Obs: a ficha não tem uma trama para o personagem.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Brandon Stark em Dom 5 Nov 2017 - 23:25

Brandn Satark
O Inverno está Chegando



Nome on: Brandon  Stark
Nome of:  Yan Gabriel
E-mail:  yan.gab@hotmail.com
Sangue:   Legitimo
Região pertencente:Norte 


Características do Personagem:
O rapaz mais novo dos Stark de Forte do Inverno nasceu como se fosse uma mistura de seus dois irmãos mais velhos. Quase tão alto quanto o mais velho, Bran possui um metro e setenta e nove de altura, pesando oitenta e cinco quilos. Seu corpo é atlético, apesar de não ser tão corpulento é possível ver o quão musculoso ele é de longe. Sua pele lembra a de todos os Starks, uma vez que não tinha muita oportunidade de pegar sol, seus olhos são de um azul gelado, que lembra muito o clima predominante do norte. Seus cabelos são negros, mas sua barba, estranhamente, nasceu com uma pigmentação mais clara, quase loira, provavelmente fruto de um antigo casamento em sua linhagem. Apesar de ser extremamente rígido, centrado e observador, o rapaz não perde a chance de contar uma piada ou de usar sua ironia ao falar com os demais. Conhecido entre sua família como a Raposa do Norte., devido a sua alta inteligência, Brandon cresceu sendo um garoto curioso que sempre quis saber de tudo. Aventureiro nato é raro ver alguma atitude irresponsável vindo dele. Extremamente leal a sua família, tanto aos Starks de Winterfell quanto aos de Forte do Inverno, ele é um típico homem do norte.


História do Personagem:
O rapaz mais novo de Torrhenn Stark e Valerian Mormont, nasceu em uma bela tarde ensolarada o que era muito incomum para o lugar, afinal ele estava no norte. Seus pais ficaram muito felizes uma vez que seu desejo sempre foi ter inúmeros filhos homens para ajudar no progresso da casa. Seus cabelos castanhos escuro e, mais tarde, sua barba de pigmentação mais clara eram heranças de anos de miscigenação com as grandes casas do sul.
Por ser o rapaz mais novo e com poucas chances de assumir o posto de herdeiro Bran não teve tanta rigidez em sua criação quanto seus dois irmãos mais velho. No entanto, isso não quer dizer que ele não teve uma educação puxada quanto o necessário para ser um nobre decente e alguém capaz de se casar em nome de alianças. Desde cedo era possível notar a inteligência incomum do garoto e também sua extrema curiosidade que não deixava que ele ficasse quieto ou não explorasse o mundo a sua volta. Sempre gostando muito de sua instrução sobre política e história, o garoto se mostrava um estrategista nato e ainda por cima um ótimo conhecedor sobre política e o passado de seu continente e também do restante do mundo.
Apesar do seu dom incomum para piadas indevidas e irônia desmedida, Brandon, tinha um enorme senso de justiça e uma moral inabalável, além de tomar atitudes consideradas precoce para a sua idade. Vale ressaltar que apesar de se ter uma justiça ele não é conhecido por ser misericordioso e nem muitos dos permissivos, uma vez que é duro como pedra e frio como gelo para tomar as ações que julga necessárias para o bem do Norte e de sua família, o que para ele eram quase sempre as mesmas coisas. Com a combinação de suas atitudes, seu intelecto e a forma como se posta de maneira astuta e rígida ele ficou conhecido como A Raposa do Norte.
Sua lealdade aos Starks, tanto os primos e os irmãos, são fáceis de ser percebidas, principalmente ao irmão mais velho, que muitas vezes discordam entre si, mas que existe um respeito mútuo muito forte. Já quanto ao irmão do meio a amizade flui de forma mais fácil, mas isso não significa que ele ame um mais do que o ouro. É possível afirmar que eles são os dois homens que ele mais admira em todo westeros.

Ramo Principal
+ Lorde Siegfried Stark, 36 anos, senhor e protetor de Forte do Inverno.
+ Sua esposa, falecida no parto.
+ Seu filho _____ Stark de 10 anos.
+ Seu irmão, Ethan Stark 29 anos.
+ Seu irmão, Brandon  Stark 26 anos.
+ Sua irmã, ______ Stark 24 anos.

Criatividade: - 2
Força: - 1
Inteligência: - 4
Agilidade: - 2
Coordenação motora- 2
Vigor: - 2
Oratória: - 2
Fé: - 1





Ficha Aprovada
Azor Ahai

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Anastasia Mormont em Qua 8 Nov 2017 - 21:37



Dever e honra...


Nome On: Anastasia Mormont

Nome Off: Fernanda Brito

E-Mail: fernanda4259@hotmail.com

Sangue: Legítimo

Cargo: Nobreza

Habilidades Iniciais Escolhidas: Sedução, Etiqueta e Adaga.

Região Pertencente: Norte

Características do Personagem: Anastásia é a filha mais nova do Lord e da Lady de Mormont, então, viu toda a atenção irem para seu irmão, o futuro herdeiro, e sua irmã mais velha, potencial de uma grande aliança por casamento. Com isso, foi criada mais livre, podendo se dedicar às coisas que realmente gostava, como a música e andar à cavalo. Claro que não conseguiu fugir das temidas aulas de etiqueta, oratória e tudo o que se espera de uma princesa, mas as coisas não eram tão rígidas como eram com sua irmã. Ainda pequena, foi iniciada na arte das espadas curtas, adquirindo uma certa destreza e habilidade com adagas. Presente de seu irmão que a mimava, já que era a caçula, e achava importante que ela soubesse se defender. Anastásia sempre foi muito alegre e aventureira demais para uma menina, mas isso passava despercebido, até que seus pais morreram e sua irmã foi obrigada a se casar com um Lord de terras aliadas. Seu irmão assumiu a chefia da família e do reino, se tornando muito mais sério, e o castelo ficou muito mais vazio. Assim que adentrou a adolescência, Anastásia passou a ser uma moça mais séria, pois já via que o mundo não era um conto de fadas, que havia todo um povo que dependia de seu irmão e, consequentemente, dela. Seu olhar se tornou mais frio, a música foi deixada de lado, assim como a dança e os passeios à cavalo. Agora, ela passava mais tempo treinando com sua adaga e tendo aulas, a fim de desempenhar bem sua missão. Anastásia é muito inteligente, até bem mais do que se espera de uma mulher. Também é muito bonita com curvas bem definidas e longos cabelos castanhos. Foi ensinada desde cedo que, apesar de serem consideradas inferiores, as mulheres têm muitos poderes se souberem usar bem os seus talentos. Isso a tornou uma mulher muito sedutora e com um grande talento para o raciocínio e estratégias. Fala bem e tem um grande talento com a escrita e, apesar de tudo, não esqueceu sua paixão pela música, mais especificamente pela flauta, a qual costuma tocar em noites estreladas quando não consegue dormir. Apesar de jovem, Anastásia não tem muitos sonhos, pois sabe que sua vida está a disposição do reino e ela não pode fazer muitas escolhas, mas, em seu íntimo, ela deseja ser feliz, não quer largar sua casa e se esforça para não decepcionar.

História do Personagem: Anastásia Cateline Mormont é a terceira herdeira da casa Mormont. Viu seus pais morrerem muito cedo e seu irmão subir ao trono com apenas vinte e um anos. Igualmente jovem, viu sua irmã ser levada para fora da Ilha como esposa do Lord Cardinale Manderly. Assim, Anastásia passou os anos de sua recente adolescência sozinha, recebendo aulas enquanto era preparada para servir ao reino de alguma forma. Seu maior medo sempre foi ser obrigada a se casar com alguém a força como aconteceu com sua irmã, então, quando tinha treze anos, fez seu irmão prometer que nunca faria isso com ela. Os anos se passaram e Anastásia cresceu em inteligência, sabedoria e curvas, se tornando uma mulher muito bonita, além de esperta e astuciosa.

Inconformada em só ficar vagando pelo castelo até aparecer algum motivo para ser útil, Anastásia se empenhou nos treinos com adagas, a arma que demonstrou maior aptidão desde criança. Como hobby, cultivou a música com sua flauta e a dança, na qual se destacava muito durante as festividades do castelo. Apesar de ser incomum para mulheres, aprendeu a ler e a escrever e mantinha diários em um baú escondido em seu quarto onde relatava tudo o que se passava no reino, assim como seus desejos mais secretos. Anastásia sonhava em ajudar seu irmão a defender a Ilha e seu povo, e o que a mais irritava era ser vista como uma mulher indefesa à espera de um casamento.

Quando Anastásia completou dezessete anos, a temida notícia chegou, rompendo a relação de carinho e afeto que existia entre ela e o irmão. A garota havia sido prometida ao irmão da Lady da casa Karstark, a fim de selar uma aliança entre as casas. Ela nunca perdoaria seu irmão por quebrar sua palavra, mas aceitou seu destino como deveria fazer. A vida era feita de deveres e obrigações e ela cumpriria os seus com destreza, como tudo em sua vida. Assim, Anastásia foi prometida a Gendrick Karstark, sem gostar ou desgostar dele, somente encarando o futuro casamento como o negócio que era. Agora, ela espera o casamento e espera que seu sacrifício seja útil a seu irmão e seu povo.


Árvore Genealógica:

 - Dorian Mormont, atual Lorde da Ilha dos Ursos, 30 anos. (irmão)
 - Sua esposa, Nanien Mormont, 28 anos. (cunhada)
 - Sua filha, Norian Mormont, 12 anos. (sobrinha)
 - Seu filho, Danien, 9 anos. (sobrinho)
 - Sunny Manderly, esposa de Cardinale Manderly, Senhora de Porto Branco, 17 anos. (irmã)


Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:

Criatividade: - 3
Força: - 2
Inteligência: - 3
Agilidade: - 2
Coordenação Motora: - 2
Vigor: - 2
Oratória: - 2
Fé: -



Cada um tem o seu lugar...
------------------------------------------------------------------------------
@Lilah


Ficha Aprovada. A personagem será acrescentada à cronologia da Casa.
Deus de Muitas Faces.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Dante Dayne em Qui 16 Nov 2017 - 4:15


A Golden Crown
O propósito da guerra é a paz.


Nome On: Dante Dayne
Nome Off: Gabriel
E-Mail/Skype/Instagram: gabriel1leite (skype)
Sangue: Legítimo
Cargo: Lord
Habilidades Iniciais Escolhidas: Espada Longa, Argumentação e Rastreio/Caçada
Região Pertencente: Dorne
Características do Personagem: Impulsivo e sempre furioso, é dono de um belo sorriso sempre acompanhado de algum bom humor. Um jovem caucasiano, de olhos escuros e cabelos claros. Seu corpo não carrega cicatrizes ou sinais de batalha. Embora sua personalidade seja bastante controversa, carrega sempre uma expressão tranquila no rosto, não costuma deixar suas expressões transpassarem algum de seus sentimentos, adora e vive por aventuras, dotada de um código de conduta e de honra próprio que regula o homem não somente a arte da guerra, mas também a conduta social. Dante tem opiniões negativas sobre as políticas e leis mais duras de punição, a sua grande convicção é a paz e a justiça pelas quais jura estar disposto a dar a própria vida.

História do Personagem:

Um típico nobre com um sonho na cabeça, “Ser cavaleiro” era o que o jovem da casa Dayne mais desejava, desde pequeno sempre adorou ouvir as historias sobre cavaleiros.  Aquele era também um destino que seu velho pai via para o garoto, seria uma honra ter outro cavaleiro que carregasse o sobrenome dos Dayne.

Por isso tudo foi feito para que ele tivesse os conhecimentos necessários para um dia se tornar cavaleiro, seu pai começou a treinar o garoto na arte da espada com apenas oito anos, a mãe não emitia muitas opiniões sobre as questões decididas pelo homem, o garoto era bom com a espada na mão e isso foi fácil de perceber para um pai que já era um cavaleiro a bastante tempo, mas o Sor Dayne era um homem velho e já não ia mais ao combate, por isso o jovem Dante precisaria de outro mentor, alguém que estivesse no auge da idade e fosse capaz de lhe ensinar ainda mais, ajudando a desenvolver todo o potencial que aquela criança parecia possuir.

Aos 12 anos o garoto saiu de Tombastela e foi enviado para um velho amigo do pai, que fazia parte da Guarda Real, a partir daquele dia seria um escudeiro, até que seu novo mestre e mentor decidisse o contrario, afinal as regras dizem que apenas um cavaleiro pode nomear outro cavaleiro (exceção feita a reis).

Foram 3 anos trabalhando e seguindo aquele homem noite e dia para aprender tudo que pudesse, com quinze anos, Dante foi nomeado cavaleiro no campo de batalha por Sor Arthurius durante uma sangrenta batalha contra inimigos da coroa o homem pode notar no garoto todas as habilidades necessárias para se tornar um real cavaleiro, mesmo com a pouca idade que possuía, e assim foi feito.

O garoto então voltou para casa, para ostentar o titulo ao pai e a toda a sua família. Onde passou anos acompanhando o pai, que já era velho e doente, não levou mais que alguns anos para que seu pai também viesse a falecer, mas não sem antes trazer um novo sonho, ou objetivo ao coração do agora já homem feito que era seu filho, para provar novamente o poder e gloria da família Dayne, Dante faria todo o possível para provar seu valor como cavaleiro e ingressar na Guarda Real, se tornando mais um dos membros da família a fazer parte dos Mantos Brancos.


Árvore Genealógica:(Opcional)


Distribua 16 pontos entre os seguintes atributos, de acordo com o seu personagem:

Criatividade: 2
Força: 2
Inteligência: 3
Agilidade: 3
Coordenação Motora: 2
Vigor: 2
Oratória: 2
Fé: 0

//Funebribus


Ficha reprovada
Trama incoerente com a trama da Casa Dayne
Azor Ahai

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Os Sete Reinos

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum